O jeito certo de disciplinar

  • Written by Maria Alice, Fernanda Lee
  • Update: 20/04/2017

Revista Nova Escola - edição de abril 2017

Nem rigidez nem permissividade. Segundo especialista, a solução é o equilíbrio.

Fernanda Lee - Mestre em Psicologia Escolar pela Universidade Nazarene de Point Loma, nos Estados Unidos, ministra cursos sobre disciplina positiva para pais e professores no Brasil e nos EUA

Um mundo sem punições é um mundo em que as ações não têm consequências?
Fernanda: Existe uma diferença entre punição e consequências lógica. E elas são sempre confundidas. Quando um estudante risca a mesa, é comum deixá-lo se recreio. O que isso tem a ver com o que ele fez? Nada. Trata-se apenas de uma punição. A consequência lógica deve atender a três princípios: ser relacionada (seria justo que ele limpasse a própria mesa), razoável (limpar a mesa de todos os colegas não faria sentido) e, se possível, antecipada (o aluno pensa no que fazer para resistir à vontade de riscar a mesa).

O que molda essa mentalidade?
É o conceito de disciplina positiva, criado pela pesquisadora e psicóloga americana Jane Nelsen. Normalmente, disciplinamos as crianças de maneira rígida ou permissiva. Quando os professores são muito rígidos, acabam sendo autoritários e o aluno sente que teve sua dignidade roubada. Quando são permissivos, deixam que tudo aconteça para não afetar a autoestima da turma. Nelsen propões que o docente seja firma, mas também gentil para manter a dignidade da criança.

Por que agir assim, se no passado a rigidez parecia funcionar?
A mudança de gerações transformou as relações de poder tanto entre adultos (no trabalho e na família) como ente adultos, crianças e jovens. A garotada hoje quer direito a igualdade, quer ser ouvida. O professor tende a acreditar que, no momento que ele deixa o aluno decidir, está perdendo poder. Isso é um equívoco. O adulto ainda é o capitão do barco, mas, ao se mostra disposto a ouvir e considerar também os estudantes, deixa que todos ajudem a remar.

E se o aluno não estiver disposto a cooperar?
As crianças observam os adultos a todo o momento e, às vezes, os desafiam. Se o docente usa uma bronca para exigir bom comportamento, o aluno pode recusar por se sentir acuado e com medo. A alternativa é validar o sentimento da criança. O professor diz: “Eu entendo que você quer brincar, mas sua turma quer estudar agora. O que podemos fazer para todo mundo se sentir bem?”. Com isso, o aluno pensa: “Poxa, ele me viu. Me escutou.”Tudo o que a criança sente é válido, ainda que nem tudo o que ela faça seja.

Como agir quando as família são permissivas ou rígidas demais?
A escola não deve ser dependente da família para adotar as práticas da disciplina positiva. As crianças são capazes de perceber a diferença entre o ambiente familiar e o escolar. Um exemplo interessante são crianças que têm dois pares de avós e na casa de um é liberado comer doce, mas na do outro não. Elas não confundem as regaras, sabem como agir em ambos ambientes. Ainda assim, é essencial informar as famílias sobre a postura adotada. Vale fazer uma reunião, explicar a proposta e se dispor a dar mais detalhes.

 

 

      

Top
Usamos cookies em nosso site para melhorar o desempenho e a sua experiência como usuário. Ao navegar pelo site, você estará dando o consentimento de uso. More details…